Passou-se!

Crónica publicada no Dinheiro Vivo

Passos Coelho e Vítor Gaspar são os verdadeiros responsáveis pela crise política e social que, a cada dia que passa, é cada vez mais preocupante. Repito: O primeiro-ministro e o ministro das Finanças serão os únicos responsáveis se este Governo cair.

Não é Cavaco Silva com a sua mensagem de Ano Novo, não é a oposição com os constantes pedidos de eleições antecipadas, não são os sindicatos com as greves gerais e muito menos os cidadãos com as suas manifestações, é o Governo com o seu autismo.

Sim, Portugal está cada vez mais perto de uma verdadeira crise política e social, com direito a uma queda de Governo e tudo. E a culpa é exclusivamente de Passos Coelho e de Vítor Gaspar, que escolheram encurralar o país, não dar escolha.

Simplificando, dizem-nos que se um dia queremos todos voltar a pagar menos impostos, então teremos que aceitar cortes de quatro mil milhões de euros no Estado social, com dezenas de milhares de despedimentos, aumentos de taxas moderadoras e de propinas, cortes permanentes nos salários dos funcionários públicos e nas pensões.

Dizem-nos Passos e Gaspar, esta dupla maravilha que aparentemente se esqueceu de que foi eleita porque nos apresentou outro programa de Governo, que de outra forma nunca estaria onde está, que, neste momento, resta-nos comer e calar, e mais nada, ou melhor, com uma única alternativa, a da crise política. Nada de novo, a mesma chantagem de sempre.

Pois, perante esta atitude do Governo, nada democrática, que teima em virar as costas a um país inteiro, resta-me dizer-lhe, senhor primeiro-ministro, que o melhor que faz é mesmo ir-se embora e quanto mais depressa melhor, entregue de vez o país à crise política, mas vá, desapareça, sabe, é que não é insubstituível, Portugal merece um Governo melhor.

Demorei a decidir escrever estas palavras, gostaria muito que Portugal não vivesse eleições antecipadas, mas a verdade é que depois deste relatório do FMI, com soluções que, como diz o seu ministro, merecem ser analisadas, depois dos risinhos desrespeitosos e dos elogios do seu secretário de Estado Carlos Moedas, a sua legitimidade política foi-se de vez, passou-se.

E não vale a pena vir agora dizer que isto é apenas o princípio da discussão, que a sociedade civil deve empenhar-se no debate, para depois nos cortar tudo em duodécimos criando a ilusão de que, afinal, até ganhámos alguma coisa.

Chegou a sua hora, senhor primeiro-ministro. Só espero que o Presidente da República seja consequente e, que após os seu discurso de Ano Novo, trate de o despedir a si, senhor primeiro-ministro, antes de qualquer outro funcionário público.

Advertisements

2 thoughts on “Passou-se!

  1. Desculpe, mas a Sílvia “Passou-se”! Ao contrário do que afirma na sua crónica, “os verdadeiros responsáveis pela crise política e social que, a cada dia que passa” não são Passos Coelho nem Vitor Gaspar. Esta não é a verdade. Anda por ai muita gente que gostaria que assim fosse, porque se fosse verdade as coisas seriam mais fáceis. A verdade é outra, a verdade é que esta crise é uma consequência não das politicas de agora mas sim de muitas que vieram desde dos vários Governos que nos (des)governaram desde o 25 de Abril. Os verdadeiros responsáveis por esta crise politica e social, têm vários nome, eles são os senhores Mário Soares, Cavaco Silva, Durão Barroso, António Gueterres e a cereja em cima do bolo, o “spin-doctor” José Sócrates.
    Culpar o actual Governo é quase como culpar o ciurgião que tem de operar um doente com cancro do pulmão. Será porque o ciurgião tem que retirar parte do pulmão do doente ele passa a ser o responsável por este passar a ter menos qualidade de vida?
    Como contribuinte Português e homem de bem, concordo, com alguns pequenos ajustes, completamente com o que é proposto pelo FMI e consequentemente com Pedro Passos Coelho, Vitor Gaspar e até Carlos Moedas.

    É no mínimo lamentável que quando finalmente, com a ajuda técnica do FMI, se propõe efectuar cortes reais na despesa louca do estado, alguns partidos, muitos políticos da nossa praça e alguns políticos de café, venham agora a terreiro gritar que nem peixeiras em defesa dos interesses portugueses. Pergunto; aonde estava toda essa indignação quando o estado engordava e efectuava despesas loucas? Nessa altura não andavam a gritar a alto e bom som contra essas politicas desastrosas, pois não? Calaram-se e em alguns casos apoiaram e, como cúmplices que são, deviam agora estar calados e apoiarem as medidas duras que agora têm de ser tomadas.

    A factura finalmente chegou e agora ela tem que ser paga. Lembrem-se, não podemos ter um Estado que vive acima das possibilidades dos Contribuintes portugueses.
    É interessante notar que de repente os Estado tornou-se na “Vaca Sagrada” dos Partidos e dos Políticos de Esquerda. Durante anos e anos, falou-se sobre emagrecer a “Vaca Gorda”, que era o Estado, mas quando um Governo, que podemos dizer é de Salvação Nacional, pede ajuda ao “diabólico” FMI e este apresenta o “Plano de Dieta” para a dita “Vaca”, os “meninos-de-coro” da politica nacional começaram logo a gritar com o “pé-no-bidé-e-mama-na-mão” que se queria mandar para o matadouro a “Vaca Gorda” que agora, já não era obesa mas sim “Santa”.

    O medo destes políticos e aprendizes-de-feiticeiro é que um Estado magro é um Estado pobre e, um Estado pobre significa a redução ou o fim das benesses, das obras públicas, dos carros com motorista, dos “Jobs-for-the-Boys” & “Girls”, dos “paper-pushers”, dos técnicos do selo-branco, etc., etc., etc. Portanto, nada como defender com unhas-e-dentes a “Vaca”, que de repente mudou de estatuto, passou de “Gorda” para “Vaca Sagrada”.

    Senhores Políticos, lembrem-se, mais vale fazer uma rigorosa Dieta à “Vaca Gorda” do que mais tarde, por falta de comida para a alimentarmos, termos de abater a “Vaca Sagrada”!
    Cara Sílvia, eu é que me “Passei”, porque já estou farto de pagar as contas de um Estado obeso, obtuso e suicida nas suas Despesas.

  2. Boa tarde! Concordo com tudo o que diz, é verdade, Cavaco e companhia engordaram este Estado, criaram este monstro, todos os governos dos últimos 30 anos são responsáveis por tudo isto, e nós que os elegemos. A verdade é que não se pode, na minha opinião, resolver em três ou quatro anos o mal que se fez ao longo de décadas. O problema deste Governo está no autismo, na incapacidade para dialogar, para negociar, para ouvir, falta-lhes experiência. Os partidos foram tomados pelos Jotas e isto é, aparentemente, um fim de ciclo. Precisamos de emagrecer sim, de empobrecer, infelizmente, mas não à bruta e com fundamentalismos ideológicos. Já tive oportunidade de escrever isto em artigos de opinião anteriores, mas vou voltar ao tema, porque, admito, este saiu com o coração aos pulos. Muito obrigada, mais uma vez, o debate é-me muito útil. Atenciosamente, Sílvia de Oliveira

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s