A culpa é do rei da Suécia

Artigo publicado no Dinheiro Vivo

Opinião

O Presidente da República estava esta quarta-feira no estrangeiro, mais precisamente na Suécia, olhou, com um certo distanciamento para Portugal, um país endividado até à ponta dos cabelos – os últimos dados do INE mostram um rácio da dívida pública nos 127,8% do PIB, muito acima das previsões contidas na 7ª e última revisão da troika (122,9%), e viu um bando de masoquistas nos que falam da insustentabilidade da dívida do Estado.

Como o Presidente não disse nomes, apenas referiu tratar-se de “analistas e até políticos”, imagine-se!, por cá, neste país distante, começámos imediatamente a fazer contas de cabeça, não aos rácios de dívida, que esses parecem ter ganho vida própria, mas aos supostos masoquistas, aos que se entretêm com o seu próprio sofrimento.

E não foi difícil. Encontramos vários economistas, insuspeitos (vamos, para o caso, esquecer os políticos), que nos mostram que para se conseguir reduzir o nível de dívida pública nas próximas décadas, respeitando as novas regras orçamentais europeias e mantendo debaixo de olho as metas do défice, seria preciso pôr a economia a crescer de forma disparatada. Por disparatada, entenda-se qualquer coisa como cerca de 8% ao ano, ou mais. Como se isso fosse possível…

Aliás, na análise que fez ao Documento de Estratégia Orçamental 2013-2017, o Conselho das Finanças Públicas, órgão independente, ao qual Cavaco Silva deu posse, e que tem como uma das suas atribuições, analisar a dinâmica da dívida pública e a evolução da sua sustentabilidade, diz assim: “Conclui-se que para que a dívida pública não entre numa trajetória explosiva (crescimento sem limite) são necessários esforços adicionais de consolidação orçamental, para além dos efetuados até 2012, mesmo que se venha a concretizar um nível elevado de crescimento económico”.

Os esforços feitos não chegam, diz a instituição presidida pela Teodora Cardoso, para que a dívida não entre numa trajetória, não é insustentável, é explosiva.

Nesta mesma análise, o Conselho das Finanças Públicas explica bem a situação explosiva da dívida pública portuguesa e avisa para os riscos compreendidos nas previsões do Governo, que são, claro está, otimistas, nomeadamente no que respeita às perspetivas de crescimento económico.

Cavaco poderia desejar que todos, por aqui, neste país, fizessem o mesmo que o rei Carl XVI Gustavo, e dissessem que Portugal vai lá, que vai conseguir ter sucesso, vai cumprir este programa de ajustamento, vai evitar o segundo resgate e até vai chegar a um rácio de dívida de 60% em 2035, conforme está no Pacto.

Mas não é possível, Sr. Presidente (duvido que valesse de alguma coisa…), porque o que nos move, por cá, não é a simpatia, nem a cortesia. Mas também não é o masoquismo. Talvez, quando voltar daí, de tão longe, se relembre do que disse na Mensagem do Ano Novo, de que os atuais níveis de dívida eram insustentáveis. Até já!

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s