Disco

Nirvana

Olhando assim para trás, nunca fui de grandes ídolos, de correr atrás – acho eu, agora -, mas guardo o dia da morte de Kurt Cobain. Chorei, chorámos as duas – a minha amiga, então, é que não é mulher de chorar por desconhecidos -, em plena redação do Diário Económico, ainda na Almirante Reis.

Uns anos depois, fomos ao Santiago Alquimista, a um tributo aos Nirvana, e cantámos e descabelamo-nos.

E lembro-me de como sempre curti o grunge e como ainda hoje, se pudesse, andava sempre nessa onda.

Passaram 20 anos e o bebé da capa do disco – um dos discos da minha vida – cresceu. Já é maior de idade.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s