O risco da improbabilidade

Texto publicado no Dinheiro Vivo

Opinião

As náuseas são iguais quando assisto aos que pontapeiam quem já está caído no chão, ou quando vejo filas de babados ajoelhados para um beija-mão. E é, sobretudo, isto que me resta dizer sobre o espectáculo à volta da crise no Grupo Espírito Santo (GES), que esta semana acumulou mais uma improbabilidade – Ricardo Salgado foi detido, na qualidade de arguido, para interrogatório, no âmbito do caso Monte Branco.

Os sinais de que a supervisão e a justiça estão a funcionar existem e, se assim for, isso basta-me. Os crimes sob suspeita são graves e aquilo que se exige é, como sempre, um julgamento justo e um tribunal independente. E rápido, muito rápido. Sob pena de ser tarde de mais e as repercussões no próprio BES e na economia se tornarem insustentáveis.

A queda de Ricardo Salgado – outra improbabilidade – é, afinal, muito mais do que a ruína de um rico todo poderoso: é a falência de um nome, é a descredibilização de uma marca. Neste momento, alguém sabe o que se passa na cabeça de um cliente do BES?!

A lei protege a maioria dos depositantes, o Banco de Portugal garante, a toda a hora, que o banco está sólido e que uma coisa é o GES, outra coisa é o BES, mas só Vítor Bento e a sua equipa saberão, na verdadeira medida, qual o real impacto desta crise no negócio do banco. Imagino até que, se pudesse, o novo presidente executivo do banco – e o próprio Banco de Portugal – já teria refundado o BES, a começar por uma mudança de nome. Espírito Santo é, neste momento, tudo menos um nome recomendável.

E há mais. A falência de Ricardo Salgado e da família Espírito Santo é, também, mais um sintoma da fragilidade do país, de um país sem capacidade de investimento, onde não há dinheiro, onde os empresários vivem com a corda do endividamento ao pescoço e onde as empresas passam, uma atrás da outra, para as mãos de quem pode. Se não estava bem, ainda pode ficar pior, o país.

É muito mais do que comprar tomate nacional

Texto publicado no Diário de Notícias

Opinião

Já não sabemos viver sem bancos. À conta de depósito à ordem, onde cai o salário todos os meses, com direito a cartões de débito e crédito, soma-se, em muitos casos, o crédito à habitação, o seguro de saúde e o PPR. E isto é apenas o mais básico.

Não é preciso ser-se rico para se viver dependente dos bancos. Grande parte da nossa vida está nas mãos deles. Aliás, o País vive, tristemente, à sombra da banca. Mais que não seja é também por isso que as notícias sobre o que se passa no Grupo Espírito Santo (GES) e, por tabela, no Banco Espírito Santo (BES) nos dizem respeito. A todos e não apenas aos clientes do BES.

Só se entrega tanto a alguém de confiança. E a confiança, pilar-chave de todo o setor bancário, foi indiscutivelmente afetada no caso do BES. Os clientes têm, neste momento, dúvidas sobre a sua relação com o banco. São dúvidas legítimas, mas que não têm, para já, fundamento. O Banco de Portugal, entidade que regula e supervisiona o sistema bancário nacional, garante a solidez financeira do BES, ou seja, que os depositantes do banco estão protegidos face a um eventual agravamento da situação.

Os clientes do BES não têm, por isso, com que se preocupar. Ou antes, segundo o Banco de Portugal, os clientes do BES não têm, por isto, de mudar de banco. Além da garantia de que o banco está suficientemente capitalizado, foi imprimida uma rutura com a anterior gestão. Ricardo Salgado, que conduziu o banco durante décadas, foi afastado e substituído por Vítor Bento. Goste-se mais ou menos, Vítor Bento é uma boa escolha para recuperar a reputação do BES.

Agora, este caso do BES é oportuno para se perceber, de uma vez por todas, que as decisões de consumo, de bens e serviços, são mais importantes do que podemos pensar. Nunca devem ser tomadas ao acaso e, ainda que o preço seja cada vez mais preponderante, este não deve ser o único fator a pesar nas escolhas que fazemos.

Não se exige a leitura de um relatório e contas da empresa antes de escolher o fornecedor de telecomunicações, nem se pede que conheçamos de cor os rácios da empresa onde fazemos as compras de supermercado – é para assegurar a idoneidade e o cumprimento das mais elementares regras que existem reguladores -, mas faz todo o sentido pensar um minuto antes de decidir o que consumir. Não é indiferente a estrutura acionista nem a liderança da empresa, por exemplo.

Ser consumidor responsável é muito mais do que comprar tomate nacional. O poder dos consumidores exigentes e informados, neste mundo digital, pode muito bem ser o quinto poder. E a concorrência existe para usar e abusar.

Antes fosse uma guerra de primos

Opinião

Artigo publicado no Dinheiro Vivo

A situação no Grupo Espírito Santo (GES) e no Banco Espírito Santo (BES) é preocupante, mas não por causa das guerras familiares. A zanga entre Ricardo Salgado e José Maria Ricciardi é apenas a parte mais mediática e excitante do problema, mas é, de longe, a menos grave. A história está cheia de casos de famílias desavindas, de negócios familiares que se desmontam, ou morrem porque os sócios – familiares, ou até amigos – se desentendem. O poder, mais do que o dinheiro, é motivo primordial de ruturas.

O que é alarmante – e distinto – nesta crise entre os Espírito Santo é o que está por detrás desta zanga entre os dois banqueiros, porque é que o presidente do BES e o presidente do BES Investimento romperam e porque é que deixaram de confiar um no outro.

A confiança mútua, vantagem que existe entre familiares face a outros parceiros sem relações pessoais, perdeu-se no GES e no BES e não se sabe porquê. É possível, mas pouco provável, que a guerra, que tem saído ao bochechos na comunicação social – a compra por parte da PT ao seu principal acionista, o BES, de 900 milhões de euros (!) de papel comercial e apenas o último copo servido ao país – se deva apenas ao facto de, subitamente, Ricciardi querer tomar o lugar de Salgado e de este estar, aos 70 anos, absolutamente agarrado a uma cadeira. O poder cega, mas não é crível que dois experientes e responsáveis banqueiros tenham atitudes comprometedoras do futuro de um banco com a dimensão e importância do BES.

As irregularidades detectadas na Espírito Santo International, os graves problemas financeiros no Grupo Espírito Santo, as suspeitas da prática de crimes de mercado são explicações mais plausíveis para a crise no grupo. E poderá não se ficar por aqui. A guerra entre Salgado e Ricciardi e as divergências sobre a sucessão no BES é consequência destes factos e não o contrário.

É absolutamente incompreensível, a ser verdade, que o Banco de Portugal tenha precipitado a sucessão de Ricardo Salgado só porque este atingiu os 70 anos e há um primo que lhe quer o lugar, ao mesmo tempo que é disparatado pensar que Carlos Costa não quer um Espírito Santo à frente do banco só porque sim, se a família continua a ser o principal acionista da instituição, com 25%, como ainda é incrível que a escolha para sucessor, apoiada pelo supervisor, recaia sobre o braço direito e esquerdo de Salgado, Morais Pires.

A escolha do CFO de Salgado é garantia de continuidade, uma solução de compromisso, a saída possível quando não se pode mudar os acionistas do BES. O Banco de Portugal de Carlos Costa pode começar a rezar para que tudo dê muito certo neste novo-velho BES.