Passion fruit

Entre um copo de vinho, conversas e gargalhadas, tempo bem passado, saem coisas assim. A obra foi dele e, mais dia menos dia, a receita andará por aqui

PassionFruit

Advertisements

Ponto de situação

Um ponto de situação depois de uma ida e volta, ontem, à Maia para uma entrevista.
Fui hoje, 42 dias depois, tirar o gesso, trouxe uma tala, mas já dá para tomar banho, besuntar de creme, correr (“não corre com os braços, pois não?!”), conduzir e tudo e tudo, desde que não doa. O braço está uma miséria, parece um bracito do Gollum, mas já trato dele.

Braço

De resto, tudo nice, um fim de semana a pastelar.
O jantar no Eleven – carta do Chef Miguel Laffan – estava maravilhoso, como se pode ver.
Dia 22 deste mês, será Joachim Koerper a ir ao L’And, em Montemor-o-Novo. Uma questão de estrelas, como escrevi aqui e aqui.

Eleven1

Eleven2

Eleven3

Weekend mode

Sim, óbvio, o l’And Vineyards é espectacular, tem detalhes de sonho, apetece ir viver para Montemor-o-Novo e vir todos os dias trabalhar a Lisboa (pelo menos, por uns tempinhos). São só 45 minutos para regressar ao sossego e conforto de uma suite, onde se dorme com vista para as estrelas do Alentejo, literalmente, porque o tecto abre mesmo por cima da nossa cabeça.

E depois, é de sonho ter a cozinha do chefe Miguel Laffan, mesmo ao piscar de olhos, no L’And, o restaurante do resort, que há um par de meses ganhou uma estrela Michelin. O pequeno-almoço é de chorar e comer por mais. Os pastéis de nata miniatura tinham um sabor, que ainda hoje ando aqui às voltas porque não consigo descobrir qual é. Jantámos o menu de degustação, simplesmente delicioso, mas ficou por provar o bolo de azeitona, que fez sucesso em Banguecoque, no World Gourmet Festival 2013.

E foi assim:

land5

land1

Land9

land6

land2

land7

land8

land4

land3

Fim de semana

Fimdesemana1

Este Domingo, voltei à feira da minha infância, onde ia com o meu avô comprar patinhos e pintainhos. Lembro-me tão bem da emoção que era segurá-los, quase não os agarrava com o misto de medo de os apertar demasiado e de medo deles. O meu avô – chamava-se Manel – bem me avisava que se não o fizesse, eles podiam fugir. Era a menina do meu avô, que nunca escondeu de ninguém que era eu o seu xodó. Sintra tem muita magia. Havia os mesmos bolos de erva doce, quentinhos.
E à tarde, a família foi ao estádio 🙂
No sábado, tinha sido dia de corrida (5km, enquanto não voltar aos treinos, não há caixa para mais).
Foi tão bom este fim de semana